COMING SOON!

author.product-selector.pdhNotAvailable.disclaimerInfo.text This component is currently unavailable. But feel free to look around. And come back soon if you can’t find what you’re looking for this time.
MINIverso

BEM-VINDO AO MINIVERSO.

Após revelar o MINI Concept Aceman, a MINI lançou outro projeto que poderá ter um grande impacto no futuro da empresa e da nossa comunidade: o MINIverse.

Um mundo virtual onde os fãs da MINI têm a oportunidade de experimentar o que o MINI Concept Aceman tem para oferecer, através de jogos que realçam as características mais empolgantes do automóvel. Este é, no entanto, apenas o primeiro passo ao longo do emocionante percurso que está pela frente. O MINIverse pode ajudar-te a divertires-te e a envolveres-te com o MINI de formas nunca antes possíveis. Visitámos a Demodern, a empresa por detrás da criação do MINIverse, e pedimos à sua equipa que nos ajudasse a compreender a razão pela qual devemos estar entusiasmados.

GIF

JUNTA-TE AO MINIVERSO.

Podes consultar o MINIverse aqui. Não te preocupes, não há registo, não há inscrições, apenas dois cliques, e já estás a divertir-te.

Members of the Demodern team working on the MINIverse.
Membros da equipa Demodern (da esquerda para a direita): Diretor de Arte Luis Uribe, Diretor de Experiência Jason Brandt, UX Designer Katie Murdoch, Diretor Técnico Jan Beutgen.

ONDE A MAGIA ACONTECE.

Ao aproximarmo-nos do edifício industrial moderno e de linhas esguias que alberga o escritório da Demodern, não conseguimos evitar deixar-nos levar pelo ambiente jovem e vibrante de Colónia. Nesta que é a quarta maior cidade alemã, um terço da população é migrante, e estas diferentes heranças culturais fazem de Colónia um lugar onde se sente criatividade, liberdade e espírito acolhedor. Provavelmente, não é surpresa que tal meio tenha sido a base perfeita para a criação do MINIverse.

No escritório da Demodern trabalha um grupo diversificado de profissionais que têm a perícia e a imaginação para tornar algo tão desafiante como um mundo virtual para automóveis numa experiência apelativa. E eles estão tão entusiasmados com a sua criação como com o facto de a desfrutares. Ao todo, 24 pessoas trabalharam no projeto - até agora - com a equipa central composta por programadores, artistas 3D, Diretores de Arte, Testes & Garantia da Qualidade, Proprietários de Produto, Gestão de Projetos, Scrum Master e funções DevOps. Falámos com vários membros da equipa sobre o que é um metaverso e o que torna o MINIverso particularmente especial.

O Diretor Técnico Jan Beutgen certificou-se de que os objetivos eram concretizáveis e que o produto final era o mais inovador possível, enquanto a Gestora de Projetos Mayssa Kaddoura mantinha tudo a funcionar sem problemas. O Diretor de Arte Luis Uribe certificou-se de que o MINIverse tinha uma boa aparência; a Designer UX Katie Murdoch fez com que o MINIverse suscitasse uma boa interação e o Diretor de Experiência Jason Brandt assegurou que a experiência no MINIverse não fosse apenas boa, mas também adequada para o que a marca pretende afirmar. Também falámos com a Gestora de Marketing Digital da MINI, Jutta Richter, para ficarmos com a perspetiva da MINI sobre este novo desafio.

COMO DESCREVER O METAVERSO (À TUA AVÓ).

Todos temos sido bombardeados com notícias e chavões sobre as mais recentes tendências de comunicação digital da Web 3.0, mas, por vezes, o essencial perde-se no meio do ruído. Por isso, perguntámos à equipa como descreveriam o metaverso em algumas frases. De forma bastante consistente, todos definiram um metaverso como um mundo virtual online em 3D, onde os utilizadores interagem com o seu ambiente através de um avatar. Os utilizadores conseguem consumir informação sobre o seu tópico de interesse, interagir com outros utilizadores e podem expressar-se através da personalização, ou através dos conteúdos e experiências que criam para que todos possam desfrutar deles. No metaverso, não são apenas consumidores passivos, são criadores ativos, e, através das barreiras quebradas pelas tecnologias digitais, podem impactar as comunidades como nunca antes na história.

Luis coloca este desenvolvimento numa perspetiva histórica: “O metaverso representa a próxima interação da conectividade. No passado, tivemos plataformas simples de envio de mensagens. Depois, surgiu o MySpace, uma forma online de ligação entre as pessoas. Depois, vieram fenómenos como as redes sociais atuais, como o Instagram e o TikTok. O metaverso vai ser o próximo passo onde nos ligamos às pessoas e as compreendemos de uma forma nova e mais profunda”. O que isto significa é que, em contraste com a natureza artificial e limitada das plataformas de comunicação atuais, o metaverso pode revelar-se mais imersivo, ou, como Jason o diz, “simplesmente uma extensão da nossa realidade atual, simplesmente num espaço virtual”.

A collage of images featuring scenes from the Demodern office in Cologne.
Do canto superior direito no sentido dos ponteiros do relógio: 1. Uma reunião no escritório da Demodern em Colónia. 2. Trabalho sobre o MINIverse. 3. Dois modelos MINI no escritório da Demodern. 4. UX Designer Katie Murdoch e o Diretor de Experiência Jason Brandt.
O METAVERSO VAI SER O PRÓXIMO PASSO ONDE NOS LIGAMOS ÀS PESSOAS E AS COMPREENDEMOS DE UMA FORMA NOVA E MAIS PROFUNDA.
Promotional image of the MINIverse.
Agarra a coroa com o teu MINI Concept Aceman no MINIverse.
Promotional image of the MINIverse.

AS PRIMEIRAS LUZES NO UNIVERSO METAVERSO.

Então, além de estar no topo das tendências, por que é que a MINI, uma marca que produz um produto físico, está interessada num metaverso? Jutta explicou-o utilizando o MINI Concept Aceman como exemplo: “É um dos Concept Cars MINI, e estes são tipicamente únicos, na medida em que são construídos uma vez, e apenas expostos nos Salões Automóvel. Mas o público mais alargado nunca consegue chegar a experimentar este grande automóvel. O metaverso oferece-nos a oportunidade de traduzir todas as suas características apelativas numa experiência totalmente nova”. E essa é, provavelmente, a chave aqui. Em vez de ler comunicados de imprensa ou relatórios em segunda mão, e passivamente visualizar um par de vídeos, o metaverso permite-nos traduzir as características do MINI Concept Aceman em experiências interativas. Desta forma, qualquer pessoa em todo o mundo pode familiarizar-se com as ideias por detrás do automóvel e todas as suas características de uma forma mais profunda e imersiva.

Então, como é que se proporciona experiências às pessoas como só a MINI consegue? Bem, no caso da Demodern, tomas a decisão de não utilizares um dos fornecedores de metaverso disponíveis no mercado, mas, em vez disso, construíres o teu próprio motor, o teu próprio mundo. Pode ser um desafio maior, mas vale a pena no final. Se utilizares um serviço pré-existente, “tudo parece igual, com o mesmo estilo visual”, explica Jan. Jason acrescentando de seguida: “No final de contas, estás comprometido com os outros, não tens muitas opções de personalização que possas fazer”. E a personalização, neste caso, vai nos dois sentidos. Um metaverso personalizado dá liberdade aos criadores para criar tudo exatamente como eles querem, mas também mais liberdade aos utilizadores, que poderão beneficiar de mais elementos à medida dos seus interesses. Katie Murdoch explica: “Um metaverso personalizado permite-nos ser flexíveis, ouvir realmente as necessidades e os desejos dos utilizadores e encontrar formas de fundir o que a MINI e os seus fãs procuram, criando algo inteiramente original”. Por outras palavras, quando se fazem as regras do jogo, pode-se realmente dar vida à própria visão.

Assim, agora que a Demodern tinha o motor, eles tinham de decidir o que este iria equipar. Essencialmente, restavam-lhes duas decisões. Primeira, o que é que se pode fazer no MINIverse? Segunda, como é que eles tornam o jogo o mais fácil possível para todos? A resposta à primeira pergunta veio de uma viagem confidencial à sede da MINI em Munique, meses antes do lançamento do MINI Concept Aceman. Apenas alguns membros da equipa foram autorizados a entrar nos corredores sagrados que abrigavam o automóvel ainda por revelar, entre os quais Jason: “Escolhemos o que as pessoas podem fazer no MINIverse ao pormos mãos à obra com o automóvel. Analisámo-lo a fundo, falámos com os designers e explorámos os seus diferentes modos. Depois pegámos em tudo o que aprendemos e transformámo-lo numa experiência emocionante dentro de um espaço metaverso”.

Promotional image of the MINIverse.
Conduzir no MINIverse como um MINI Concept Aceman.
Promotional image for the MINIverse.

AMOR, PODES CONDUZIR O MEU MINI.

Isto levou a equipa a decidir que o seu avatar jogador não fosse apenas um bípede humano chato, mas o próprio MINI Concept Aceman. No MINIverse está constantemente a conduzir um MINI, com todo o Go-Kart Feeling que isso implica. Quanto ao mundo 3D, a equipa criou diferentes ambientes interligados - pensem neles como salas digitais - onde os utilizadores podem entrar e depois envolver-se em atividades simples e divertidas que exploram diferentes características do automóvel. Num mundo, podes jogar um jogo semelhante a um tag, capturando a coroa de outros jogadores. Num outro, podes saltar entre balões para paisagens sonoras vibrantes, enquanto noutros lugares podes relaxar. Mas não queremos estragar demasiado a surpresa; experimentem por vocês próprios.

Quanto a torná-lo o mais acessível possível, a Demodern, primeiro, certificou-se de que o MINIverse não tinha limitações de hardware. Isso significa que apenas precisas de um computador ou de um Smartphone para entrar nele. “Muitas pessoas ainda preferem pensar no metaverso como uma tecnologia exclusivamente RV, mas eu não conheço uma única pessoa - que não esteja na minha bolha tecnológica - que tenha uns auscultadores RV em casa. Muitas pessoas não seriam capazes de experimentar um metaverso RV”, diz Jan. Depois, tornaram a participação ainda mais fácil. Enquanto, atualmente, nem sequer se pode comprar uma lâmpada online sem se registar num website e subscrever uma newsletter, o MINIverse não te pede nada do género. Sem registos, sem e-mails, sem newsletters. “Ao permitir-te entrar imediatamente e conduzir, estamos realmente a destacar o entretenimento divertido e imersivo, em vez de termos uma experiência de marca muito subjugada ou exagerada”, explica Katie. Em suma, os criadores do MINIverse fizeram tudo para o tornar perfeito para ti.

UM METAVERSO PERSONALIZADO PERMITE-NOS SER FLEXÍVEIS, [...] CRIANDO ALGO COMPLETAMENTE ORIGINAL.
: A collage of images featuring scenes from the Demodern office in Cologne.
A partir do canto superior direito no sentido dos ponteiros do relógio: 1. Diretor de Arte Luis Uribe a desenhar um MINI. 2. Diretor de Experiência Jason Brandt, Gestora de Projeto Mayssa Kaddoura e Jutta Richter, Diretora de Marketing Digital do MINI. 3. A testar a tecnologia RV. 4. Esboços do MINIverse.
Promotional image for the MINIverse.

PASSO 2.0: O MUNDO GRANDE É BIG LOVE.

Embora o atual MINIverse seja divertido, e bem-sucedido na tradução dos componentes do MINI Concept Aceman para um parque de diversão digital, ainda não é o metaverso Demodern e MINI que se pretende. Isto porque o MINIverse não será apenas uma montra de um único automóvel muito, mas muito, emocionante. Pode teoricamente ser “um balcão único para tudo o que pertence à MINI. Podes ter notícias, campanhas, conteúdos patrocinados, tudo experienciado dentro do MINIverse", diz Jutta.

Felizmente, ao utilizar um sistema à medida, a Demodern criou a arquitetura que permitirá à MINI acrescentar tudo o que pretender a esse mundo. Se fosse tomada a decisão de adicionar todo o portefólio da MINI à lista de avatares personalizáveis, isso seria possível; e seria então possível conduzir o MINI Cooper Austin Powers. Poderia tornar-se num salão de exposição automóvel virtual onde poderias comprar um MINI no MINIverse? Sim, claro. Poderia disponibilizar concertos interativos, apresentações, exposições? Tudo isso faz parte das possibilidades.

E esta capacidade de expansão é crítica: “O metaverso tem um atributo, que é permanente, que é persistente. É preciso fazer o público a regressar. É preciso oferecer mais conteúdo, desenvolver mais componentes, proporcionar recompensas, criar minijogos ou níveis. Eu diria que o trabalho nunca está concluído até um dia se encerrar todo o sistema”, explica Jan.

 

POR TI, CONTIGO, PARA TI.

Toda esta magia técnica está ao serviço da construção e manutenção de uma comunidade. O metaverso está no seu melhor se as pessoas se puderem expressar de novas formas. Jason vê-o como parte de uma tendência maior: “As pessoas que fazem parte do público mais jovem já não querem apenas que falem delas. Querem que se fale com elas”. Querem fazer parte da conversa e criar algo em conjunto".

E esta comunidade deve ser criada de acordo com os nossos ideais de BIG LOVE. Katie descreve os seus elementos-chave: “Penso que um MINIverso precisa de uma mistura de inclusão e diversidade, para criar um espaço que seja criativo, evolutivo e emocionante. Ajudar as pessoas a descobrirem novas ideias e dar ao MINI a oportunidade de “ouvir o que os seus fãs realmente querem”. Esse é, realmente, o ponto essencial. O MINIverse deve ser o que fazes dele. É o teu mundo MINI.”

Promotional image of the MINIverse.